"Essas palavras que escrevo me protegem da completa loucura." Charles Bukowski

quinta-feira, janeiro 21, 2016

É assim que eu vou me lembrar de você


Eu poderia me lembrar que você quebrou meu coração. E você quebrou, mais do que qualquer outro, você sabe, não sabe? Não de um jeito bonito e romântico, mas de um jeito feio, cheio de sangue, cicatrizes e pontadas de dor. Eu poderia me lembrar das lágrimas que eu derramei – não foram poucas, nem silenciosas, e precisei de álcool, Netflix e amigos para que elas secassem. E eu precisei disso durante dias, durante muito tempo, porque esquecer você não foi rápido. Eu poderia me lembrar da parte ruim, dos dias antes do fim, de todos os motivos pelos quais todo mundo diz que eu deveria te odiar. E talvez eu devesse – ainda – te odiar. Mas eu não quero.
Porque eu não quero olhar pra trás e me lembrar da parte em que eu não amei você.
Talvez seja apenas eu sendo trouxa mais uma vez, sem cansar de procurar as partes boas de todo mundo, mas acho que, chega um momento, depois que a dor acaba, em que a gente escolhe como vai se lembrar das pessoas. Não como se eu quisesse tudo aquilo de volta, porque eu realmente não quero. Eu apenas acho injusto só lembrar do fim quando tudo antes disso foi tão bonito. E foi bonito, apesar de tudo. Não foi?
Então eu vou lembrar dos seus abraços quando eu estava prestes a surtar. As mensagens que você mandava no meio da madrugada quando eu não conseguia dormir. Eu vou me lembrar da sua família que me acolheu como se eu fizesse parte de tudo aquilo, sabe? E foi sempre tudo tão natural. Eu vou me lembrar daquelas risadas de tirar o fôlego que a gente deu naquele fim de semana em Recife – a melhor viagem que a gente jurou repetir (mas foi só mais uma coisa entre a lista de promessas que a gente nunca cumpriu). Eu vou me lembrar das noites em que a gente dormiu com as pernas entrelaçadas e alguma parte de mim achou que ia ser você pra sempre.
Eu vou me lembrar daquela época em que você era meu lugar seguro, e não tinha nada nem ninguém que me acalmasse mais do que o som da sua respiração enquanto você dormia. E eu vou me lembrar de quando eu sabia dos seus sonhos, seus planos, tudo em que você acreditava, tudo o que você queria conquistar. De quando eu achei que sabia tudo sobre você, daqueles dias em que eu achei que eu te entendia e que a gente se completava. Eu vou me lembrar do você que eu conhecia, mesmo que hoje a gente não se conheça mais.
E quando me perguntarem de você, apesar da parte em que doeu, apesar da parte em que a gente chorou, apesar de eu não te querer de volta na minha vida, eu vou sorrir e dizer que você foi incrível. Que, mesmo que não seja mais comigo, você ainda é.
Porque é assim que eu escolhi me lembrar de você.

Karine Rosa

FONTE:
http://entretodasascoisas.com.br/2016/01/21/e-assim-que-eu-vou-me-lembrar-de-voce/

segunda-feira, novembro 30, 2015

Sobre Amor e Migalhas




Cara, por todo esse tempo tive medo de te perder e não percebi que me perdi. Me perdi de mim, das coisas que acredito, que sei que são certas e das coisas que mereço.
Talvez você nem seja um cara ruim, mas me faz mal viver submersa nessa eterna esperança de que uma hora será minha vez. Essa vez nunca chegou e nunca chegará, e mesmo que você me dissesse AGORA que a partir desse momento você me daria o que tanto quero, eu não iria aceitar. Não iria, porque não se trata do que eu quero, mas do que mereço.
Eu só queria ter você ao meu lado, que fôssemos um casal feliz, que você me assumisse. Mas merecer, eu merecia tudo isso e muito mais. Muito mais do que ligações tarde da noite, quando é notório que só me ligou porque não conseguiu nada melhor. Muito mais do que “eu adoro seu jeito”, como se isso quisesse dizer o que eu realmente gostaria de ouvir. Muito mais do que um “:D” quando eu falo de você com carinho em uma rede social.
Eu mereço ser a mulher que alguém tenha orgulho de apresentar à família e aos amigos, que alguém tenha orgulho de dizer: “Essa é minha parceira, meu amor”. Mereço ouvir “Eu te amo” antes de desligar o telefone e mereço respostas e postagens calorosas para dizer o quão feliz e bom é estar ao meu lado.
Não é pedir demais que eu só pare meu bonde para subir alguém, quando esse alguém estiver parado na minha ou quiser andar nos mesmos trilhos que eu. Quero ser chamada de namorada, de “mor”, de “minha”, não no sentido da posse, mas no sentido de proximidade e quero poder dizer: “meu” no mesmo sentido.
Não te culpo por nada. Nem a mim. Na verdade, pouco importam as culpas, porque o que mais quero é encontrar alguém que não me considere apenas uma pomba de praça, pra quem ele joga as migalhas para me ver perto. E de nada adianta ficar por perto porque, quando quero me aproximar um pouco mais, ele bate o pé pra me ver voar amedrontada. Ele não me quer. Por conta disso, acho melhor voar em outros playgrounds, onde eu não precise de migalhas como atrativo.


Thatu Nunes

Confira mais textos de la em http://entretodasascoisas.com.br/author/thatu-nunes/

sexta-feira, fevereiro 20, 2015

Quem é mais forte?





"O mundo não é justo, menina. Quem te magoou pode sim seguir a própria vida feliz e tranquilo. O mundo não é aquela novela em que o vilão se dá mal no final - aliás, você já foi vilã também. Aqui se faz e nem sempre se paga. Aqui não tem lei do retorno, tem lei do mais forte. E é mais forte quem menos se entrega."


 Nathalí Macedo

sexta-feira, janeiro 23, 2015

É o fim, menina









Acabou, menina. Acabou e só tu não percebeste. Ele não te arranca mais sorrisos da boca e teus olhos estão tristes. Acabou desde o dia em que tu calaste as tuas convicções sobre o amor e deixou que as razões e bobagens dele guiassem o teu coração. Eu sei da tua luta, menina. Eu ouvi teus choros, gritos e brigas. Mas no dia em que tu cansaste e preferiste o silêncio, acabou.
Acabou desde o fim do outono, menina. Foi quando ele ficou surdo para os teus pequenos pedidos de afeto e só restou frieza. Acabou quando teus pensamentos começaram a viajar por outros mundos. Não dizem que a gente costuma sonhar com as coisas que acalentam a presença da ausência? Olha bem para isto, minha menina. Não consigo enxergar um pedaço teu nesta relação. O amor tem que ter o jeito torto dos dois. Naquela noite de angústia em que só tu cedeste, acabou.
Acabou porque tu deixaste de fazer questão da presença e dos presentes. O colo e as palavras dele perderam o gosto, menina. A sorte é que teu riso é fácil e qualquer abraço consegue afastar tuas lágrimas. Lembro do dia em que tu chegaste, com todas as borboletinhas no estômago, falando que ele era o teu herói. Aquele brilho de fazer inveja ao próprio sol não existe mais. Quando tudo se apagou, acabou.
Acabou junto com a tua vontade de mandar cartas. A verdade é que ele nunca foi tocado com tuas pequenas loucuras de amor e, talvez por isso, tenha se esquecido de demonstrar. Os carinhos dele só chegavam depois das traições. O problema, menina, é que tu o deixaste pensar que sempre estaria disponível. Não existe mais atenção e cuidado. No momento em que tu começaste a falar do tempo ao invés de gastar tua doçura para quebrar aquela estupidez, acabou.
Acabou, menina. Mesmo que teu coração ainda pulse por ele, acabou. Mesmo que toda a tua pele ainda chame pelo corpo dele, acabou.
Acabou. E quando tu perceberes isto, cedo ou tarde, eu não ficarei preocupado. O teu riso é fácil e tu irás reencontrá-lo no primeiro abraço. E dele, não mais tu quererás saber.

IGOR LUZ

terça-feira, janeiro 20, 2015

Que você venha

Que você venha de peito aberto.
Que curta minha meninice, mas respeite minha maturidade.
Que não se envergonhe por minhas tatuagens e as entenda como parte do que sou.
Que queira cuidar, e saiba também ser cuidado.
Que esqueça seu próprio passado e não me faça nunca lembrar do meu.
Que seja intenso em tudo, e que seja sincero nisso.
Que entenda e se divirta com o meu sarcasmo.
Que queira me dar seu sobrenome, mas não se chateie quando souber que não aceito mudar o meu.
Que quebre o silêncio ao menor sinal de distância entre nós.
Que aprecie boa música sem preconceitos e rótulos.
Que consiga abrir mão do próprio status para viver o que realmente vale a pena comigo.
Que se importe tanto quanto eu me importo.
Que me ame um pouco mais do que eu amo.
Que você venha...


Daniella Morais


terça-feira, novembro 18, 2014

és forte

- Invejo-lhe menina.
- Inveja-me? Oras, mais porque?
- És forte.
Silêncio
- Nem sempre fui assim.
 - E como aprendeu a ser?
- Da pior forma possível.

Autor desconhecido

quarta-feira, outubro 15, 2014

Desabitar meus hábitos








Estou com sede de mudanças,
mas não quero arrastar os móveis,
nem desentortar os quadros.
Quero desabitar meus hábitos.
 
Marla de Queiroz

quarta-feira, setembro 17, 2014

Controle


Que era eu...







Gente, conheçam as ilustrações da Luyse Costa!
Essas que postarei no blog hj fazem parte da coletânea Re-Trato, que homenageia os 15 anos da banda Los Hermanos, foi produzida pela musicoteca e distribuída online de graça.
 


Conheçam a page dela no Facebook!

Sentimental






Gente, conheçam as ilustrações da Luyse Costa!
Essas que postarei no blog hj fazem parte da coletânea Re-Trato, que homenageia os 15 anos da banda Los Hermanos, foi produzida pela musicoteca e distribuída online de graça.
 


Conheçam a page dela no Facebook!

terça-feira, setembro 09, 2014

sexta-feira, agosto 22, 2014

Se gosto de alguém...






"Se gosto de alguém, todas as outras ficam em preto-e-branco e sem sal. Como se daltonismo não fosse um problema da vista, mas, sim, uma mensagem que o coração manda quando já está ocupado pelas cores de alguém."
-
Hugo Rodrigues

quinta-feira, agosto 07, 2014

Apenas uma princesa









Ela morava com seus 7 homens. 
Sim... 
Sete!!! 
Amoral? 
Que nada... 
Apenas uma princesa de histórias infantis.

#‎contocom100letras‬

terça-feira, agosto 05, 2014

E seus pequenos probleminhas...






No fundo, no fundo,
bem lá no fundo,
a gente gostaria
de ver nossos problemas
resolvidos por decreto
a partir desta data,
aquela mágoa sem remédio
é considerada nula
e sobre ela — silêncio perpétuo
extinto por lei todo o remorso,
maldito seja quem olhar pra trás,
lá pra trás não há nada,
e nada mais
mas problemas não se resolvem,
problemas têm família grande,
e aos domingos
saem todos a passear
o problema, sua senhora
e outros pequenos probleminhas.

Paulo Leminski,

o pássaro azul



há um pássaro azul em meu peito
que quer sair
mas sou duro demais com ele,
eu digo, fique aí, não deixarei que ninguém o veja.
há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas eu despejo uísque sobre ele e inalo
fumaça de cigarro
e as putas e os atendentes dos bares
e das mercearias
nunca saberão que
ele está
lá dentro.
há um pássaro azul em meu peito
que quer sair
mas sou duro demais com ele,
eu digo,
fique aí,
quer acabar comigo?
(…) há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas sou bastante esperto, deixo que ele saia
somente em algumas noites
quando todos estão dormindo.
eu digo: sei que você está aí,
então não fique triste.
depois, o coloco de volta em seu lugar,
mas ele ainda canta um pouquinho
lá dentro, não deixo que morra
completamente
e nós dormimos juntos
assim
como nosso pacto secreto
e isto é bom o suficiente para
fazer um homem
chorar,
mas eu não choro,
e você ?

 De Charles Bukowski,

Sentir é muito lento





Essa minha secura
essa falta de sentimento
não tem ninguém que segure,
vem de dentro.
Vem da zona escura
donde vem o que sinto.
Sinto muito,
sentir é muito lento. 


Paulo Leminski

segunda-feira, agosto 04, 2014

Não discuto



não discuto
com o destino
o que pintar
eu assino


Paulo Leminski

conselhos de um jovem poeta, para alguém que sofre por amor





"Ame para estancar e para reconstituir. Ame para levantar e ame para prosseguir. Ame para proteger e para libertar, mas, jamais, deixe a falta impedir-te de amar. Encante-se pelas flores dos teus jardins e, não passe nem um dia sequer, sem semear por aí, todo o amor que brota em ti. Ame-se por dentro e por fora, não espere por uma mudança, ame-se agora. Seja capaz de amar as tuas imperfeições e, conseguirá, entender – também – as que não são tuas. Seja capaz de amar as tuas limitações e, alcançará, a luz natural das tuas próprias ruas. Ame-se no espelho e, também, sem observar-se. Ame-se hoje, como se amanhã, não fosse mais encontrar-se. Ame – simplesmente – por saber, que somos capazes de amar e, entenda que para vencer – muitas vezes – precisamos recuar. Ame-se – enfim – por ser, toda a verdade que pode haver, nas tuas infinitas possibilidades de amar. "

Fellipo Rocha